Daniel Goleman: Exercitando a Mente para Tratar de Déficits de Atenção

28/05/2014

Prezados leitores, pais, educadores e interessados em TDAH. Esta é a tradução de uma matéria publicada na coluna Well do The New York Times, em Maio de 2014 de autoria do queridíssmo autor de Inteligência Emocional, Daniel Goleman, sobre o assunto. No mínimo esclarecedor e enriquecedor.

 

-----------------------

Por Daniel Goleman

 

Qual vai ser - os morangos ou a sobremesa de chocolate? Lição de casa ou o Xbox? Terminar aquele relatório, ou navegar no Facebook ?

 

Tais decisões cotidianas testam uma capacidade mental chamada controle cognitivo, a capacidade de manter o foco em uma escolha importante, e ignorando outros impulsos. Falta de planejamento, atenção dispersa e dificuldade na inibição de impulsos: tudo isso pode significar lapsos na capacidade de controle cognitivo. Agora, um fluxo crescente de pesquisas sugere que o fortalecimento desse músculo mental, geralmente com exercícios de Atenção Plena ou Mindfulness, podem ajudar crianças e adultos a lidar com o velho conhecido déficit de atenção e hiperatividade e seu equivalente adulto, transtorno de déficit de atenção.

 

Os estudos vêm em meio ao crescente desencanto com o tratamento de primeira linha para estas condições: o por via de drogas e medicamentos.

 

Em 2007, pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, publicaram um estudo constatando que a incidência de TDAH entre os adolescentes na Finlândia, juntamente com as dificuldades no funcionamento cognitivo e distúrbios emocionais relacionados, como a depressão, eram praticamente idênticas às taxas entre os adolescentes nos Estados Unidos. A diferença real? A maioria dos adolescentes com TDAH nos Estados Unidos estavam tomando medicação; mais na Finlândia não estavam.

 

"Isso levanta dúvidas sobre a utilização de medicamentos como uma primeira linha de tratamento", disse Susan Smalley, uma geneticista comportamental na University College Los Angeles e principal autora.

 

Em um grande estudo publicado no ano passado no The Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry, os pesquisadores relataram que, enquanto a maioria dos jovens com TDAH beneficiam de medicamentos, no primeiro ano, esses efeitos geralmente diminuem até o terceiro ano, se não antes.

 

"Não há longo prazo ou benefícios duradouros de tomar medicamentos para TDAH" , disse James M. Swanson, psicólogo da Universidade da Califórnia, Irvine, e um dos autores do estudo. " Mas Mindfulness parece estar treinando as mesmas áreas do cérebro que reduzem a atividade em TDAH"

 

"É por isso que a Atenção Plena pode ser tão importante ", acrescentou. "Parece chegar às causas.”

 

Dependendo de qual cientista está falando, controle cognitivo pode ser definido como o atraso de gratificação, gestão de impulso, a auto-regulação emocional e auto- controle, a supressão de pensamentos irrelevantes, e prestando atenção ou prontidão de aprendizagem.

 

Esta capacidade mental singular, os pesquisadores descobriram, prevê sucesso tanto na escola como na vida profissional.

 

A habilidade de controle cognitivo aumenta entre 4 a 12 anos de idade, em seguida, estabiliza, disse Betty J. Casey, diretora do Instituto Sackler para desenvolvimento de Psicobiologia da Weill Cornell Medical College. Os adolescentes têm dificuldade para reprimir seus impulsos, como qualquer pai sabe.

 

Mas a impulsividade tem o seu auge por volta dos 16 anos, Dr. Casey notou, e em seus 20 anos a maioria das pessoas atingem níveis adultos de controle cognitivo. Entre os adultos saudáveis, ele começa a diminuir sensivelmente por volta dos 70 ou 80 anos, muitas vezes se manifesta como uma incapacidade de se lembrar de nomes ou palavras, por causa de distrações que a mente antigamente suprimiria através da habilidade de controle cognitivo.

 

Reforçando essa capacidade mental, especialistas agora sugerem, o que poderia ser particularmente útil no tratamento de TDAH e TDA.

 

Para isso, os pesquisadores estão testando a prática de mindfulness: ensinando as pessoas a monitorarem seus pensamentos e sentimentos, sem julgamentos ou críticas, sem reatividade. Ao invés de simplesmente serem distraídos do foco escolhido, eles percebem que a sua atenção se desviou em um determinado momento, e renovam a sua concentração, trazendo a sua atenção de volta para o foco de escolha.

 

De acordo com um relatório recente na Revista Neurofisiologia Clínica, foi sugerido que adultos com TDA podem se beneficiar com um treinamento de Mindfulness combinado com a terapia cognitivo-comportamental; suas melhorias na performance mental foram comparáveis ​​aos obtidos por indivíduos tomando medicamentos.

 

O treinamento levou a um declínio em erros impulsivos, um problema típico de TDA, enquanto a terapia cognitiva ajudou os participantes do estudo a serem menos auto-críticos sobre erros ou distração.

 

Mindfulness parece flexibilizar os circuitos do cérebro responsáveis pela sustentação da atenção, um indicador de controle cognitivo, de acordo com pesquisa realizada pela Wendy Hasenkamp e Lawrence Barsalou na Emory University.

 

Para um estudo publicado na Frontiers in Human Neuroscience, foram fotografados os cérebros dos meditadores, enquanto eles passaram por quatro movimentos mentais básicos: foco em um alvo escolhido, notando que suas mentes tinha vaguaeado, trazendo suas mentes de volta ao ponto de foco, e mantendo o foco lá.

 

Esses movimentos pareciam fortalecer o circuito neural que ajuda a manter a atenção em um ponto de foco escolhido.

 

A Meditação Mindfulness é um exercício de controle cognitivo que realça "a capacidade de suas distrações internas de auto-regulação ", disse o Dr. Adam Gazzaley, neurocientista da Universidade da Califórnia, São Francisco.

 

APRENDA A MEDITAR NO CENTRO DE MINDFULNESS

CLIQUE AQUI >>

 

Sua pesquisa busca duplicar estes efeitos com jogos de vídeo que “seletivamente alvejam os circuitos principais, sem o tipo de efeitos colaterais que você tem com as drogas para tratamento."

 

Com os colegas, ele projetou NeuroRacer, um jogo para adultos mais velhos em que eles respondem a sinais de trânsito que aparecem de repente enquanto dirigem em uma estrada sinuosa. O jogo aumento a capacidade de controle cognitivo em participantes que vão de 60 a 85 anos de idade, de acordo com um estudo publicado na revista Nature.

 

Stephen Hinshaw , especialista em psicopatologia do desenvolvimento na Universidade da Califórnia, em Berkeley, disse que o momento era propício para explorar a utilidade de intervenções não medicamentosas para TDAH e TDA como a prática de Mindfulness.

 

Dr. Swanson concordou. "Eu era um cético até que eu vi os dados", disse ele , "e os resultados são promissores.”

 

 

TEXTO:

Daniel Goleman

 

FONTE:

The New York Times, 12/05/2014

 

TRADUAÇÂO & ADAPTAÇÂO:

Vitor Friary, Centro de Mindfulness Rio de Janeiro

Please reload

Destaque

Interação entre Mudanças Neuroanatômicas e Psicológicas Após Treinamento de Mindfulness

11/11/2014

1/10
Please reload

Recente
Please reload

Procure por palavras-chave