Pessoas que vivem com mais atenção plena e compaixão sentem menos dores: resultados de um estudo de ressonância magnética

Você já se perguntou por que algumas pessoas parecem sentir menos dor do que outras?

 

Um estudo realizado na Escola de Medicina Wake Forest, nos Estados Unidos pode ter encontrado uma das respostas - a atenção plena. "Mindfulness ou atenção plena está relacionado a estar consciente do momento presente sem muita reação emocional ou julgamento", disse o principal autor do estudo, Fadel Zeidan, Ph.D., Professor Catedrático Assistente de neurobiologia e anatomia na escola de medicina, parte do Centro Médico Wake Forest Baptist. "Agora sabemos que algumas pessoas são mais conscientes e presentes do que outras, e essas pessoas aparentemente sentem menos dor".

 

Figura 1. A maior desativação do córtex cingulado posterior, uma região do cérebro associada ao processamento de pensamentos auto-relacionados, foi associada a menor dor e maior atenção plena ao traço.

 

 



O estudo é um artigo publicado no jornal PAIN. Os pesquisadores analisaram dados obtidos de um estudo publicado em 2015 que comparou a meditação mindfulness à analgésicos de placebo. Nesse estudo de acompanhamento, Zeidan procurou determinar se a disposição ao mindfulness dos investigados, isto é o nível inato ou natural de mindfulness de um indivíduo, estava associada à menor sensibilidade à dor, e a identificar quais mecanismos cerebrais estavam envolvidos nesse processo.

 

No estudo, 76 voluntários saudáveis ​​que nunca meditaram primeiro completaram o Freiburg Mindfulness Inventory, uma medida clínica confiável de atenção plena, para determinar seus níveis iniciais. Em seguida, durante a realização de ressonância magnética funcional, eles foram administrados uma estimulação de dor provocada por calor (120 ° F). Análises completas do cérebro revelaram que uma maior disposição individual de mindfulness durante o calor doloroso estava associada a uma maior desativação de uma região do cérebro chamada córtex cingulado posterior, um nó neural central da default mode network.

 

Os resultados desse estudo mostraram que indivíduos com mais mindfulness reportam níveis de dor muito mais baixos do que pessoas que não tem muita consciência e compaixão. 

 

 

Além disso, naqueles que relataram maior dor, houve maior ativação desta região do cérebro criticamente importante. A rede de modo padrão se estende do córtex cingulado posterior ao córtex pré-frontal medial do cérebro. Essas duas regiões do cérebro alimentam continuamente as informações para frente e para trás. Esta rede está associada ao processamento de sentimentos sobre si mesmo e da mente divagadora, disse Zeidan.

 

"Assim que você começa a executar uma tarefa, a conexão entre essas duas regiões cerebrais na rede do modo padrão se desativa e o cérebro aloca informações e processos para outras áreas neurais", disse ele. "O modo padrão desativa sempre que você está realizando qualquer tipo de tarefa, como leitura ou escrita. A rede do modo padrão é reativada sempre que o indivíduo para de executar uma tarefa e reverte para pensamentos, sentimentos e emoções auto-relacionados. Os resultados do nosso estudo mostraram que indivíduos com mais mindfulness são aparentemente menos envolvidos na experiência da dor, o que foi associado a relatos de dor mais baixos".

 

O estudo forneceu novas informações neurobiológicas que mostraram que pessoas com avaliações de maior atenção plena (mindfulness) tinham menos ativação nos nós centrais (córtex cingulado posterior) da rede padrão e por consequência tinham menos dor.

 

Aqueles com menor nível de mindfulness tiveram maior ativação dessa parte do cérebro e também sentiram mais dor, disse Zeidan. "Agora temos algumas novas munições para direcionar esta região do cérebro no desenvolvimento de terapias eficazes para a dor.

 

É importante ressaltar que este trabalho mostra que devemos considerar o nível de atenção plena ao calcular por que e como a pessoa sente menos ou mais dor", disse Zeidan. "Com base em nossa pesquisa anterior, sabemos que podemos aumentar a atenção plena através de períodos relativamente curtos de treinamento de meditação de atenção plena, então isso pode ser uma forma eficaz de proporcionar alívio da dor para milhões de pessoas que sofrem de dor crônica".

 

Quer aprender a desenvolver Mindfulness você também? Faça um curso breve conosco e aprenda essas técnicas.

 

 

Na segunda-feira dia 01 de outubro de 2018, estaremos iniciando novas turmas do programa de mindfulness de oito semanas em nossa sede no Rio de Janeiro, utilizando o protocolo de Terapia Cognitiva baseada em Mindfulness (MBCT) que pode ajudar pessoas com um histórico de depressão, ansiedade e estresse a aprenderem ações habilidosas para lidar com os desafios do dia a dia com mais leveza.

 

Entre em contato conosco:

(21) 2523-9572

 

 

 

 

 

Este trabalho foi apoiado pelo Centro Nacional de Saúde Complementar e Integrativa, R21-AT007247, F32-AT006949, K99 / R00-AT008238 e F30-AT009165; o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame, R01-NS239426; Prêmio Instituto Mente e Vida Francisco J. Varela e Wake Forest Center for Integrative Medicine.

 

Os co-autores são Tim Salomons, Ph.D., da Universidade de Reading, Reino Unido; Nichole M. Emerson, Ph.D., Adrienne Adler-Neal, Ph.D., Youngkyoo Jung, Ph.D., e Suzan Farris, M.S., da Wake Forest School of Medicine; e Robert Coghill, Ph.D., do Centro Médico do Hospital Infantil de Cincinnati.

 

 

 

Fonte: EurekAlert! The Global Source for Science News

 

 

 

 

Please reload

Destaque

Interação entre Mudanças Neuroanatômicas e Psicológicas Após Treinamento de Mindfulness

11/11/2014

1/10
Please reload

Recente
Please reload

Procure por palavras-chave